O que é testosterona

Introdução

A testosterona é o hormônio sexual masculino. No homem, sua produção é feita majoritariamente pelos testículos, enquanto nas mulheres pequenas quantidades são produzidas pelos ovários e pela glândula supra-renal.

A testosterona desemprenha um papel-chave na saúde e no desenvolvimento do homem por toda a sua vida, desde a fase fetal até a terceira idade.

Grande parte das características que fazem um macho da espécie humana ter a aparência de um homem vem da ação da testosterona no organismo, incluindo a maior presença de pelos pelo corpo, voz mais grossa, maior massa muscular, maior estatura, desenvolvimento do pênis e dos testículos, etc.

Devido ao seu efeito positivo no anabolismo muscular, a partir da metade do século XX, a testosterona passou a ser utilizada como suplemento para atletas que buscam melhor desempenho esportivo e para pessoas que desejam aumentar a sua massa muscular.

Infelizmente, a ação anabólica da testosterona vem sempre acompanhada de um efeito androgênico (masculinizante), que quando presente em excesso pode trazer diversos problemas à saúde, conforme veremos mais à frente.

O que é a testosterona?

A testosterona é um hormônio esteroide androgênico anabólico, ou seja, é um lipídio sintetizado a partir do colesterol (esteroide), produzido por glândulas e com ação regulatória na fisiologia celular (hormônio), cujas principais ações são promover a masculinização (efeito androgênico) e a síntese de moléculas complexas a partir de moléculas mais simples (efeito anabólico).

Suplementação

O uso de suplementos de testosterona é habitualmente utilizado por homens que apresentam algum grau de hipogonadismo ou que queiram aumentar sua performance atlética, seja para obter melhores resultados esportivos ou simplesmente para facilitar o ganho de massa muscular.

A suplementação para homens mais velhos com suspeita de andropausa ainda é um assunto controverso. Atualmente, a suplementação só está indicada se o paciente tiver sintomas relevantes de hipogonadismo e níveis sanguíneos baixos de testosterona (menor que 200 ng/dL) medidos em pelos três oportunidades diferentes durante o período da manhã.

Existem várias opções de testosterona sintética no mercado, que vão desde injeções, até géis e adesivos de pele. Alguns exemplos:

  • Durateston (propionato de testosterona, fenilpropionato de testosterona, decanoato de testosterona e isocaproato de testosterona) → ampolas de 250 mg para administração intramuscular a cada 3 semanas.
  • Nebido (Undecilato de Testosterona) → ampolas de 1000 mg para administração intramuscular a cada 10 a 14 semanas.
  • Deposteron (cipionato de testosterona) → ampolas de 200 mg para administração intramuscular a cada semana.
  • Androxon (Undecilato de Testosterona) → Cápsulas de 40 mg para administração por via oral, 2 a 4 cápsulas por dia divididos em 2 tomadas diárias.
  • Axeron (testosterona) → solução tópica com bomba de aplicação (3mg/1,5ml) para aplicação nas axilas de 30 a 120 mg por dia.
  • AndroGel (testosterona) → gel a 1% com envelopes de 50 mg para aplicação na pele dos ombros, braços ou abdômen diariamente.

Testosterona como esteroide anabolizante

Os indivíduos que utilizam suplementos de testosterona como meio de ganhar massa muscular de forma mais rápida ou para melhorar o seu rendimento esportivo desejam ter os efeitos anabolizantes com o mínimo possível de efeitos androgênicos.

Em geral, os principais esteroides anabolizantes não são compostos por testosterona em si, mas sim por precursores ou derivados da testosterona.

Alguns dos mais conhecidos esteroides anabolizantes androgênicos são:

  • Nandrolona Decanoato (Deca-Durabolin).
  • Estanozolol (Winstrol ou Winstrol Depot).
  • Androstenediona (Andro).
  • Dehidroepiandrosterona (DHEA).
  • Oxandrolona (Anavar).
  • Oximetolona (Anadrol-50 ou Hemogenin).
  • Dihidrotestosterona (DHT).
  • Metandrostenolona (Dianabol).
  • Fluoximesterona (Halotestin).
  • Enantato de Metenolona (Primobolan).
  • Trembolona (Fina).

Doses elevadas de alguns hormônios androgênicos costumam provocar também aumento dos níveis de estrogênio, uma vez que parte da testosterona em excesso é convertida em hormônio feminino.

Para evitar a ocorrência de efeitos colaterais associados ao aumento do estrogênio, algumas pessoas associam fármacos anti-estrogênicos, como o tamoxifeno, ao uso dos esteroides anabolizantes.

Métodos naturais para aumentar a testosterona >

TEM ALGUMA DÚVIDA? Então deixe uma pergunta nos comentários abaixo, que será respondida.

Compartilhe a informação
Nutrição DF
Nutrição DF

Nutrição, nutrologia e performance física em Brasília / DF. Atendimento em clínica com bioimpedância de última geração, testes genéticos de alergia e intolerância e avaliação física completa. Equipe especializada, com preparador físico experiente, endocrinologistas, nutrologia, ortopedista e nutricionista esportivo.

No Comments

Escreva uma Mensagem ou Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *